Guia 2021

Cadastre-se
anuncie
MENU
COTAÇÃO DE INGREDIENTES
GUIA DE FORNECEDORES
CADASTRE SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI


Voltar

A reinvenção alimentar se encaixa no sucesso do desenvolvimento de novos produtos?

De pizza de couve-flor a chips de couve, o sucesso não vem da introdução de um produto totalmente novo no mercado, mas da reinvenção de alimentos populares ou tradicionais para um novo público, de acordo com a consultoria New Nutrition Business.

Construir a confiança de alimentos populares com um toque de sabor ou benefícios adicionais para a saúde não apenas atende a demanda por novos sabores, mas também ao estilo de vida de bem-estar que incentiva o consumo de alimentos “real”.

A recente pandemia da Covid-19 serviu para acelerar isso, entre outras tendências, com os consumidores se interessando cada vez mais pela relação entre alimentação e saúde, bem como pela sustentabilidade de seus métodos de produção.

Mas existe alguma fórmula que as empresas podem seguir na qual um alimento reinventado é lançado, desenvolve o chamado “foco da saúde” e depois se torna um sucesso entre os consumidores? Para dar um passo adiante, existe um plano que transforme um alimento básico em um produto fresco e premium, garantindo uma nova vida entre os compradores?

De acordo com Julian Mellentin, fundador da New Nutrition Business, os maiores sucessos em alimentação e saúde não se baseiam em novas tecnologias radicais, mas em alimentos tradicionais, reinventados e facilitados para o consumidor desfrutar. “Os consumidores nos dizem que querem que os alimentos sejam o mais natural possível, com rótulos limpos e menos ingredientes, e a indústria alimentícia usou a tecnologia para entregar isso. A boa tecnologia torna os alimentos tradicionais modernos. Mas as pessoas não gostam de consumir tecnologia óbvia, então, você deve aplicá-la discretamente para tornar o antigo novo novamente. A habilidade das equipes de desenvolvimento de novos produtos em refazer alimentos 'antigos' com sabores melhores ou mais conveniência levou muitos sucessos da amêndoa à couve-flor”, acrescentou.

Mellentin destacou o colágeno como uma possível área de reinvenção. “O colágeno é interessante porque nos lembra que 'boa aparência' é uma grande parte da motivação humana - é o que está por trás do controle de peso, por exemplo. Muitas vezes nos dizem que as consumidoras mais jovens são muito motivadas pelo 'plant-based' e, ainda assim, adotaram com entusiasmo o colágeno proveniente de bovinos de corte no Brasil. Quando o benefício é forte o suficiente, as pessoas estão dispostas a deixar de lado suas fortes crenças declaradas para obter esse benefício”, observou.

Outro exemplo pode ser o café. Graças a habilidade das equipes de desenvolvimento de novos produtos, o café - uma bebida de 400 anos - agora é considerado uma bebida energética, devido as associações documentadas com cafeína e desempenho esportivo. “É uma categoria que continua se reinventando e se expandindo. ‘Reinventar’ pode significar adaptar um alimento a um formato de produto novo, mais interessante e mais conveniente do que a forma tradicional, como transformar couve em batatas fritas ou couve-flor em pizza”, disse Mellentin.

A questão da sustentabilidade dos alimentos ganhou muita força nos últimos anos, a ponto de se tornar tão importante quanto o sabor e a qualidade dos alimentos.

Reinventar os alimentos também pode significar repensar como os alimentos são adquiridos, produzidos e distribuídos ao longo da cadeia de suprimentos, oferecendo melhorias em práticas antigas e com maior desperdício que não se encaixam em um público mais ambientalmente consciente.

Proveniência e sustentabilidade são ambos fatores alimentares agora, não fatores não alimentares. A proveniência importa com os ingredientes por causa do número crescente de pessoas que querem alimentos de algum lugar, não de qualquer lugar. No entanto, proveniência pode significar apenas a ideia de pegar um produto de um lugar e introduzi-lo em um novo lugar”, enfatiza Mellentin.

Mellentin acrescenta que as pessoas gostam da ideia de uma história de fundo, referindo-se ao iogurte grego como exemplo de um alimento que não precisa ser autenticamente feito na Grécia, mas feito em outro lugar 'ao estilo de', o que é bom o suficiente para a maioria pessoas.

Quanto à sustentabilidade, Mellentin destaca que essa é outra questão que diz que as pessoas esperam que seus produtos tenham credenciais de sustentabilidade, mas veem isso apenas como o que as empresas de alimentos devem fazer para estar nas prateleiras. “Além de cerca de 5% a 10% dos consumidores, a sustentabilidade é apenas um ponto de venda entre todas as outras características e benefícios normais de um alimento e a maioria das pessoas não pagará um prêmio pela sustentabilidade, exceto algumas pessoas por marcas de nicho. A embalagem é a maneira mais importante que os consumidores veem e pensam sobre a sustentabilidade do seu produto e todas as outras mensagens estão abaixo disso”, finalizou Mellentin.

Fonte: Ingredients Network








Notícias relacionados



Envie uma notícia



Telefone:

11 99834-5079

Newsletter:

Fique conectado:

© EDITORA INSUMOS LTDA.

001