Guia 2021

Cadastre-se
anuncie

Quem é PLANT está aqui!
plantbasedbr.com

Vem conferir!

MENU
MÍDIA KIT 2021
Download
COTAÇÃO DE INGREDIENTES
GUIA DE FORNECEDORES
CADASTRE SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI


Voltar

Quais as características de qualidade de um bom sorvete?

O sorvete é uma das sobremesas mais apreciadas no mundo, presente em todas as culturas alimentares e segmentos demográficos. É composto basicamente de leite e derivados lácteos e/ou outras matérias-primas alimentícias, nos quais os teores de gordura e/ou proteína são total ou parcialmente de origem não láctea, contendo no mínimo 3% de gordura e 2,5% de proteínas, podendo ser adicionados outros ingredientes alimentícios. É um produto obtido pelo congelamento, sob continua agitação, de uma mistura pasteurizada de produtos lácteos ou não, açúcares, corantes, aromatizantes, estabilizantes e emulsificantes, em diversas proporções, visando atender aos padrões recomendados. O produto final apresenta textura e grau de plasticidade que deve se manter até o momento do consumo, desde que armazenado em condições de temperatura e higiene adequadas.

Pode ser fabricado de forma artesanal ou industrial. Os ingredientes básicos que compõem um sorvete artesanal são gema de ovo, leite, creme de leite e açúcar, adicionando-se também frutas ou o suco destas para dar o aroma. Os produzidos industrialmente incluem gordura, proteínas, água, leite, açúcar, estabilizantes e emulsificantes.

Quimicamente, o sorvete é uma rede microcristalina de fases líquida e sólida, contendo células aprisionadas na fase líquida, bem como vários outros componentes, como proteínas, gordura, estabilizantes, açúcar, sais solúveis e insolúveis. É um sistema físico-químico e coloidal complexo, composto por muitos ingredientes que afetam a sua estrutura, tanto na funcionalidade positiva quanto na defeituosa. Os estabilizadores e os emulsificantes, por exemplo, melhoram a textura do sorvete, melhorando sua viscosidade e limitando o movimento das moléculas de água, mas o seu excesso pode causar menor capacidade de fusão e de chicoteamento. O açúcar proporciona sabor doce, melhora a espessura e o volume do sorvete, mas, por outro lado, seu uso excessivo pode transformar o sorvete em uma estrutura encharcada, acima de 42% de sólidos. A gordura, outro de seus conteúdos composicionais, exerce efeitos positivos no corpo, textura, palatabilidade, intensidade do sabor, formação de emulsões e manutenção do ponto de fusão, porém, se o conteúdo de gordura exceder a concentração específica de uso, acelera o derretimento, além de desestabilizar e aglomerar gotículas de gordura. Altos valores de saturação resulta no colapso das células do ar e, consequentemente, no encolhimento da estrutura. A firmeza também pode ser reduzida como resultado de cristais de gelo menores devido a altos valores de saturação.

Os ingredientes do sorvete possuem efeitos separados ou efeitos sinérgicos quando usados em combinação com outros ingredientes. Assim, é importante manter sólidos o conteúdo e a estrutura do sorvete com uma proporção equilibrada de ingredientes.

Em um bom sorvete, gotas de gordura, bolhas de ar e cristais de gelo são igualmente dispersos em uma espessa solução de açúcar para formar a matriz semissólida, congelada e aerada.

A agitação regular é um dos requisitos básicos, pois pode evitar a formação de grandes cristais de gelo.

O ar no sorvete é um desafio. As bolhas devem ser pequenas e uniformes, finamente dispersas. Se colapsarem, saem da mistura e o sorvete não retém mais sua forma. De maneira geral, as bolhas de ar não podem ter mais do que 100 micrômetros de diâmetro. Se forem maiores, o sorvete derrete muito rapidamente.

A qualidade do sorvete pode ser avaliada principalmente pelo sabor, textura, consistência e corpo do produto. A consistência se refere a dureza ou maciez do produto, podendo ser afetada pela temperatura e viscosidade da mistura. Por outro lado, entende-se por “corpo” o comportamento do sorvete quando a temperatura é elevada e começa a derreter, sendo classificado em viscoso e esponjoso ou aguado e compacto. O tamanho dos cristais de gelo influencia o tipo de textura, sendo que cristais superiores a 55μm produzem uma textura grosseira.

A composição química do sorvete determina vários parâmetros estruturais e sensoriais importantes para a obtenção de um produto final de qualidade, como firmeza, resistência ao derretimento e textura, entre outros. Os ingredientes utilizados na mistura têm extrema importância na qualidade do produto final. A gordura favorece o sabor, a textura e a consistência do sorvete. Por outro lado, a sacarose confere corpo aos produtos congelados e influencia a formação dos cristais de gelo, devido ao abaixamento do ponto de congelamento da água.

A gordura do leite representa o ingrediente mais importante na qualidade do sorvete e o primeiro a ser estimado no cálculo da mistura, sendo os demais ingredientes estabelecidos com base na proporção em que se ligam à gordura.

A aparência do sorvete à medida que derrete é extremamente importante na percepção global do consumidor quanto a qualidade do produto. Além disso, a observação do processo de derretimento pode trazer informações quanto a outros fatores de variação da qualidade, tais como estabilidade da proteína, aglomeração de gordura etc., que afetam a cremosidade, suavidade e riqueza do sorvete.

O comportamento de derretimento ideal para o sorvete apresenta a forma de um fluido liso, homogêneo, com aparência geral que se assemelha ao mix do qual foi feito. O processo de derretimento envolve a seguinte sequência de eventos. A estrutura construída pela água congelada desaparece à medida que a água derrete e a massa de sorvete passa do estado firme decorrente do congelamento para o estado fluido. Quando a viscosidade do fluido estiver suficientemente baixa, as células de ar se movem para a superfície, dissipando-se na atmosfera e deixando a mistura em uma condição semelhante àquela que tinha antes do congelamento.

Atingir esse ponto ideal de derretimento não é sempre compatível com outros fatores que afetam a estrutura do sorvete.

No intuito de conseguir determinadas características de manuseio da embalagem e/ou manipulação após a saída do freezer, de aumentar a durabilidade do produto (shelf-life), de atingir determinada textura e cremosidade, ou modificar qualidades de palatabilidade, alteram-se determinados fatores que irão modificar o comportamento do derretimento do sorvete. O resultado é que, na hora do derretimento, o sorvete apresentará um comportamento bastante diferente daquele considerado como sendo ideal. À medida que o gelo derrete, o retorno à fluidez original pode ser impedido por características estruturais resultantes da agitação aplicada

durante o processo ou pela influência da concentração de congelamento.

No tanque de congelamento, a agitação pode produzir a aglomeração de gordura que propicia certa rigidez, importante em muitas operações de embalagem e essencial em produtos extrusados; também é fator chave no desenvolvimento de cremosidade, untuosidade e riqueza do produto. Mas, a aglomeração de gordura é também responsável por uma extrema retenção de forma no derretimento, conhecido como “baixo derretimento” (slow melt) e/ou uma superfície seca, escamosa no produto derretido. Além disso, a concentração de congelamento pode resultar na gelificação irreversível de algum sistema estabilizante ou de proteínas lácteas. Essa gelificação pode produzir uma estrutura coagulada que retém parte do volume do sorvete e forma uma massa amorfa, ligeiramente arredondada ou um fluido grosso, viscoso.

Assim, é importante lembrar que nem todas as descrições usadas quando se refere as características de derretimento do sorvete devem ser consideradas universalmente como verdadeiros “defeitos”. Alguns devem ser vistos como características de comportamento que são componentes do perfil normal do produto, sendo relacionadas a fatores específicos de composição e processamento. Como esses fatores são variáveis de um produto para outro, chega-se à conclusão de que não há um único comportamento de derretimento que deva ser considerado como ideal.

O padrão para o comportamento de derretimento de qualquer sorvete deve ser estabelecido pela sua observação durante certo período de tempo. Elementos específicos de comportamento só devem ser considerados como defeitos quando não fizerem, normalmente, parte do no derretimento de um determinado sorvete, e que isto ocorra somente em intervalos irregulares.

O sorvete ideal deve possuir sabor típico, fresco, agradável e delicado; ter textura definida e macia; possuir resistência moderada; derreter lentamente em forma de líquido com a aparência da mistura original; ter uma cor natural; possuir partículas regularmente distribuídas; e ter contagem bacteriana baixa. E, ainda, deve ter as especificações de composição coerentes com o nome e os ingredientes e valores nutricionais identificados no rótulo.

O sorvete é um alimento extremamente complexo e o entendimento dos ingredientes, do processamento, da microestrutura, da textura e da relação entre esses itens permite a elaboração de produtos de alta aceitabilidade no mercado.

Márcia Fani

Editora




Envie um artigo



Telefone:

11 3628-6931       11 99834-5079

Newsletter:

Fique conectado:

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Srg. Lourival Alves de Souza
130 - Conj. 113 - 1˚ Andar
04675-020 - Jardim Taquaral
São Paulo, SP - Brasil

001